26 comentários em “Filósofos e pensadores contra as mulheres

  1. Sou estudante de filosofia. Os grandes filósofos discutidos e seguidos pelos meus professores, são todos esses mencionados no texto e mais alguns. Pouco nos importa a visão que os grandes filósofos tinham e têm sobre as mulheres.

  2. Essa visão filosófica foi datável. Mas, ainda hoje o mundo acadêmico e intelectual da filosofia, pertence, em sua maior parte, a pesquisadores, professores e estudantes do gênero masculino. Força física, pênis rígido, produção de espermatozoide, religião e grande predisposição para libido e para disputas por território torna o homem o que ele ainda representa, e talvez nunca deixará de representar.

  3. Pingback: Uso temerário do Facebook | blog do ozaí

  4. Acredito que existe um erro quanta as categorias sexuais do feminino e as antropologicas, mais gerais, da mulher. A mulher inclui o feminino, e quando estes filosofos erraram creio que o fora em confundir a propria masculinadade com o fato de ser homem masculino. O homem masculino, em sua sexualidade, parece errar na filosofia e nas ideias taoquando a mulher feminina.

  5. “Clarissa Pinkola Estés, em seu livro Mulheres que Correm com os Lobos traz notícias de uma mulher amanda, reconhecida como inteira em si mesma. Livre para existir. Essa mulher possuía todos os atributos de uma deusa. Era humana e ao mesmo tempo divina e havia algo de selvagem em seus olhos que nenhuma civilização ou religião poderiam domar. Por isso mesmo, essa mulher foi temida e, por ser temida, foi reprimida e banida do convívio dos demais. Ela foi queimada nas fogueiras da ignorância, amordaçada nas malhas da censura, presa nas correntes da indiferença. Mas essa mulher faz parte da natureza. Embora só existam resquícios de sua complitude, ela está no fundo da alma de todos, homens e mulheres que sentem um profundo sentimento de vazio e solidão em suas vidas. Eles escutam o chamado que vem dos ossos, das profundezas da carne. O chamado da mulher selvagem, há muito reprimida, há muito massacrada mas de nenhuma forma esquecida.”
    Fonte: http://pt.shvoong.com/books/489353-mulheres-que-correm-com-os/#ixzz1TXaRHyiQ

    Através de inúmeras manifestações, a cultura do patriarcado buscou o aniquilamento desta mulher plena. E estes filósofos misóginos foram apenas alguns dos que, por temerem esta mulher, tentaram aprisioná-la. Quanto ao teor dos postulados destes autores, me leva a concluir que cada um deles teve a mulher que mereceu.

  6. O senhor Jeferson surge de novo com as suas idéias religiosas e acusando uma pessoa – logicamente a mulher – de não ter moral para discutir o assunto em questão!
    Será que esta posição intolerante do senhor Jeferson não é uma contradição cristã?
    Ora, Cristo era acompanhado permanentemente de mulheres. Alguns historiadores atestam que ela era casado com Maria Madalena, que para mim não abalaria em nada a sua conduta.
    Mais a mais, será que nunca aconteceram divórcios entre casamentos cristãos?
    Padres jamais deixaram a batina?
    Pastores não se separaram de suas esposas?
    A Eva não foi culpada, senhor Jeferson, porque o homem comeu do fruto da árvore do bem e do mal, por favor!
    A coitada foi seduzida pelo belzebu, travestido de cobra, que Deus permitiu que assim ele agisse.
    Foi uma traição com a recente criação divina, colocando este mito conforme o seu entendimento, senhor Jeferson, porque eu não acredito que o homem tenha surgido desta forma criacionista.
    Muita ingenuidade imaginar que assim tenha sido criado o ser humano, no meu modo de ver, e tenho todo o direito de externar o meu pensamento, e sem ser herege!
    Acredito no evolucionismo, no big bang, na ciência, como creio que a mulher tenha sido inferiorizada pelas religiões ao longo dos séculos.
    Muito mais pelos representantes de Deus que filósofos ao longo da história, a começar que foi colocada culpa na Eva pela expulsão do casal de humanos no Paraíso.
    E, o demônio, que fim levou pela sua dissimulação? Por ter sido o mentor intelectual desta “ofensa” a Deus?
    Não aconteceu nada ao maligno! O safado continuou a habitar o Éden e, pior, com autoridade e capacidade de nos atazanar a vida!
    E, ainda por cima, pagamos o pato pela sua maldade e desavença que mantém com Deus?
    Quer dizer, a corda rebenta mesmo no lado mais fraco, pois o capeta é simplesmente incontrolável pelo seu próprio criador?
    Com os humanos Ele volta e meia nos aniquilava e com o diabo o Senhor é condescendente?
    Ora, senhor Jeferson, a história relata os abusos cometidos contra as mulheres e a Bíblia está repleta de situações que as acusam de seres inferiores ao homem.
    Lamento que a discussão que estamos travando desde quando foi colocada a Misoginia para comentários, o senhor insista no aspecto religioso da questão, quando na verdade se trata do relacionamento do homem e das mulher que nunca foi justo, jamais foi honesto e, em nenhum momento, nós, homens, as consideramos como igual!
    Eu não precisaria dizer isso, mas sou casado há 41 anos com a mesma mulher; temos três filhos formados e duas netas.
    Não fosse eu agir com respeito e tratá-la da mesma forma que ela me considera, e nosso casamento já teria se rompido, com razão.
    Ela não me deve submissão e eu não lhe devo obediência!
    Precisamos viver com amor, sim, mas não significa subserviência de quem quer que seja.
    Claro, o bem comum prepondera, não se toma atitude alguma que a outra parte não concorde, mesmo não gostando, pois às vezes é necessário.
    Agora, ai de mim, se não visse na minha mulher um outro ser humano pensante, que devo respeito, que devo pedir “por favor”, que preciso entender suas indisposições e compreender seus desejos e anseios.
    O mais interessante é pensar que ela é incapaz e inferior ao homem e a que a este deve submissão, e propagar que ela É IMPORTANTE À FORMAÇÃO DOS FILHOS ficando em casa, cuidando deles!
    Credo, que contradição!
    Tanto os guris quanto as gurias vão sair como às mães, influenciados pela sua educação, forma de vida e pensar (que para os homens a mulher não pensa!).
    Bom, se ela, a mulher, é assim admitida pelos homens, por que deixar a educação dos filhos ao seu encargo?
    Não seria uma temeridade?
    Aliás, eu vejo esta discussão como uma das mais importantes demonstrações da inteligência da mulher, pelo fato que é o homem quem está discutindo quem ela é, sem chegar à conclusão que seja aceita por todos, vamos e venhamos.
    No entanto, elas não debatem sobre o quê é o homem, certamente porque sabem que não temos nada para ser comentado, basta que pensemos que somos seus donos, amos e senhores.

    • Critiquei a senhora, pois ela já cansou de mostrar publicamente a adúltera que é ao posar nua em revistas pornográficas.
      Só falei o óbvio.
      Você não compreende nada caro Francisco porque você não tem infelizmente Jesus como seu caminho. você somente segue seu orgulho e sua moral, dessa forma não é possível ter uma relação com Deus.
      Vou orar por ti!

      • Senhor Jeferson, a minha relação com Deus se dá através do ser humano. Quanto mais eu valorizá-lo (homens e mulheres) eu vou estar enaltecendo o Todo Poderoso.
        Eu não entendo é desqualificar o próximo em nome de uma suposta “salvação”, pois se somos feitos à imagem e semelhança de Deus, na razão direta que eu tratar bem as outras pessoas, eu estarei louvando ao Criador, a sua própria obra.
        Não entendo e não aceito esta divisão entre seres humanos no que diz respeito aqueles que se dizem seguidores de Cristo e os que não precisam divulgar as suas crenças. Ninguém é superior a ninguém, todos nós somos falhos e pecadores. Não fosse assim, Deus não nos teria feito com tantos defeitos, portanto, que Lhe seja atribuído a sua responsabilidade devida pelos seres humanos apresentarem erros de “fabricação”.
        Considero injusto agora, que homens e mulheres busquem a perfeição, de modo a encontrá-Lo e voltarem a morar no Paraíso.
        No mínimo Deus está sendo cruel, para não dizer sádico.
        E, se Ele me deu inteligência – grande, pequena, admirável, não importa -, eu tenho que questionar tudo ao meu redor; preciso encontrar as razões que me levam a pensar, entender, odiar, amar, aceitar, detestar e, até mesmo, discordar Dele, sem Lhe faltar com respeito.
        Eu não tenho o direito de acusar quem quer que seja, então, muito menos tenho condições de afirmar se esta ou aquela pessoa está afastada de Deus, haja vista que sou tão insignificante – ou mais – que aquela que estou rotulando, pois ela se mostra corajosa, enquanto que eu me deixo submergir pelo medo e receio de punição eterna.
        Quanto ao meu orgulho e moral, que bom que eu os tenho ainda, e vou fazer de tudo para mantê-los.
        Considero essas qualidades fundamentais na elaboração da personalidade, do caráter, e não irei abandoná-los por doutrinas religiosas que também não me dizem a verdade, que não conhecem a verdade, que não sabem o que é a verdade, apenas imaginam tê-la consigo.
        Sou muito mais partidário do ateísmo que valoriza o ser humano que um crente em Deus que abandona o seu próximo, que não lhe estende a mão.
        Isso não pode ter partido de Deus, querer que exista esta diferença entre seus filhos, entre irmãos. Por isso que homem e mulher devem ser iguais, sem distinção, sem submissão, mas contribuindo para que os parceiros busquem a felicidade, a paz e a harmonia.
        Desta forma o CASAL encontrará a Deus, e não diferentemente, ou seja, na divisão, na separação, na inferioridade, na sujeição.
        Obrigado por rezar por mim, senhor Jeferson, eu preciso de mais luz para aprofundar mais ainda meus pensamentos com relação ao ser humano, pois Dele eu não preciso saber nada, pois Ele sabe tudo de mim, inclusive se eu digo a verdade para mim mesmo, e não aquela que as pessoas querem ouvir.

    • Acho que você está cometendo um erro no seu relacionamento caro Francisco, você tem relação com sua esposa pois fala, ouve, tem relação direta com ela.
      Para você ter uma relação com Deus, é necessário falar com ele meu caro.
      Para isso existe a oração.

      Se você é Ateu, não pode considerar nada e nem discordar de nada sobre Deus, pois você ignora sua existência. Isso é básico caro Francisco.
      Se você é Ateu, Deus não tem parte em sua vida, logo você não precisa se preocupar com isso.

      Se você é Ateu, não pode falar de uma relação com Deus, pois nunca tentou se relacionar com ele.

      Suas palavras parecem um desabafo, já tentou usar essa sinceridade que você diz ter na sua vida diária e descobrir se Deus pode agir em sua vida?

      Só saberá se tentar, caso contrário, sua sabedoria se baseará apenas na influência humana em sua vida, limitada, ao contrário a sabedoria divina é ilimitada!

      Não vou entrar no quesito livre arbítrio contigo, pois como você é Ateu não vem ao caso.

      Saudações!

      • O senhor Jeferson não lê integralmente os comentários, razão pela qual conclui erradamente.
        EU NÃO SOU ATEU, disse isso na minha primeira manifestação.
        Só não acredito nas religiões, qualquer uma, mas acredito em Deus.
        Mais a mais o assunto se desviou do seu objetivo, as mulheres.
        Portanto, feito esta correção, senhor Jeferson, acredito que agora suas conclusões possam ser devidamente mencionadas.

    • Prof. Ozaí, não sei se percebeu mas está ocorrendo um erro na forma de resposta a um post anterior, no caso do meu bate papo com o Francisco está uma bagunça, rs.

      Caro Francisco, legal você ter dito claramente que não é Ateu, também não sou religioso.
      Mas, a comunhão entre os irmãos em Cristo é necessária, concorda?
      Jesus Cristo ia até o “templo”, para orar também.
      Mas, uma religião é feita de pessoas, então não espere para frequentar uma determinada religião, encontrar pessoas santas lá, que isso nunca irá acontecer.

      Eu vou a determinado tempo e acompanho determinados pastores e padres, não pela sua posição religiosa e sim pelos seus princípios e suas posições perante o que diz os ensinamentos de nosso senhor Jesus Cristo.

      O que o senhor pensa ser uma submissão suja, entre homem e mulher, nada mais é que um sacrifício mútuo em determinadas situações para se manter o equilíbrio nessa relação.
      Deus deixa bem claro a maior responsabilidade da família ao homem, ele é o provedor, a mulher não tem essa responsabilidade, mas nada a impede de ajudar.

      Se você diz ser Teísta, mas não crê na Bíblia e nos ensinamentos de Cristo, tem algo errado na ordem das suas idéias. Acredito que deva fazer uma avaliação melhor em relação a isso.

      É evidente que existem trabalhos que se encaixam melhor para homens e outros para mulheres, essa estória de igualdade total não existe, é apenas ideologia para gerar discórdia.

      Saudações!

  7. Gostei da lista do post, não há nenhum filósofo Cristão de verdade nela!!

    Quanto ao vídeo e a mensagem de genesis, a culpa foi da mulher, logo teve o seu castigo, mas o psicanalista esqueceu de mencionar que Deus também castigou ao homem, lhe obrigando a trabalhar para conseguir seu sustento.

    Detalhe, a atriz em questão é um exemplo não? Troca de homem como se troca de roupa, não tem moral alguma para essa discussão.

    Saudações!

  8. claro que a posição destes autores reflete a época em viveram, o que para nós hoje parece um absurdo já foi algo bem aceito pela sociedade, e como uma coisa puxa a outra, essa discussão me fez lembrar o caso da homofobia, onde vemos grupos evangélicos com discurssos vazios a respeito do tema, sendo que os mesmos não percebem que o desenrolar dos acontecimentos fatalmente os colocará na história na mesma posição destes autores quanto a misoginia, a grande diferença é que estes evangélicos estão longe de terem a capacidade dos filósofos.

  9. Postagem excelente e informativa, tanto pela escolha dos autores quanto pelos comentarios oportunos. Quanto ao video, nao acrescenta nada – esperava-se pelo menos uma discussao dessa lista de inépcias de ilustres autorias.
    Mas lendo as asserçoes acerca das mulheres, muitas delas me remetiam a argumentos raciais ou escravagistas do século XIX ou anteriores, e talvez ainda em circulaçao por ai.
    Como a mulher, os indios da América recém-descoberta nao tinham alma nem discernimento; como a mulher os escravos negros eram dissimulados, falsos, incapazes de nobreza moral; como a mulher, os mestiços de todas as nuances eram incapazes de elevaçao intelectual (e isso no pais de Machado de Assis, Lima Barreto, Mario de Andrade… e tantos outros).
    Talvez a logica cruel de uma ciência formulada para justificar situaçoes de opressao tao antiga que se torna uma segunda – ou uma primeira – “natureza” nao esteja ainda totalmente erradicada, mas sem duvida, como você diz no começo, pelo menos ninguém mais pode se gabar de acreditar nisso.
    abraço,

  10. Foi o Arthur morrer e praticamente nascer o Friedrich. São 56 anos de diferença do nascimento de um e de outro, sendo que Schopenhauer influenciou o pensamento de Nietzsche de forma consistente.
    Avaliar seus conceitos sobre as mulheres com base nos moldes atuais, eu não consideraria adequado, haja vista o grande lapso de tempo transcorrido e as mudanças que as sociedades no mundo sofreram.
    As mulheres naquela época eram segregadas, sem voz ativa para nada, praticamente existiam para a procriação.
    Não havia outras formas de elas subsistirem não fosse a dissimulação, enganar, mentir, ter prazer onde sentiam asco, aceitar o domínio do homem sob pena de serem espancadas, enfim, eu, modesta e humildemente, entendo que diante do próprio comportamento da mulher – que era um mecanismo de defesa que desenvolveram para sobreviver em ambientes onde eram consideradas seres inferiores -, esses dois extraordinários filósofos só podiam ter chegado às conclusões que alcançaram sobre elas que era falso, pois falso era também o comportamento da mulher para poder sobreviver.
    E a mulher não se notabilizava em áreas onde o homem atuava e com desenvoltura, justamente a do pensamento, filosofia, sociologia, religião, pois não podiam, não lhes era permitido.
    Ora, se eles estavam em busca de verdades, de explicações que descortinassem suas visões para horizontes mais amplos, a mulher sintetizava justamente o que eles abominavam, rejeitavam, mas não à mulher propriamente dita.
    Evidente que eu não tenho condições, professor, de estar defendendo ambos pensadores, nem me atreveria a isso, mas precisamos entendê-los com relação à época que viveram.
    Lembro-me bem da década de cinquenta, onde as mlheres eram educadas para o casamento, poucas trabalhavam fora, e profissionais liberais uma raridade.
    A função básica e precípua da mulher era ser secretária, e a sua habilidade era demonstrada na datilografia!
    Eu estou falando de sessenta anos atrás, imagina quase duzentos!
    Certamente esses homens que pensavam ser a mulher um ser astuto, também concordavam que era a forma como tinham para se defender, e admito esta observação como elogio e não misoginia.
    Por outro lado, se em seus estudos Nietzsche desenvolvia seus pensamentos sobre a subjetividade (niilismo), paradoxalmente era a mulher que encarnava as qualidades que ele não via no homem.
    “Nós, homens do conhecimento, não nos conhecemos; de nós mesmo somos desconhecidos.”
    Se eles pensavam assim sobre eles mesmos, evidentemente que a mulher dos séculos XVIII e XIXera vista ao contrário, ou seja, elas são mentirosas, astutas, dissimuladas, ardilosas…portanto, conhecidas!
    No meu modo de ver eles compreendiam que a mulher fosse assim, não havia outro jeito de elas merecerem a atenção do homem.
    Sem querer fazer graça com o ditado popular, mas enaltecê-lo, acredito que, “me engana que eu gosto”, teve as suas origens a partir desta dissimulação que todos sabiam que as mulheres dela se utilizavam para agradar, e os homens eram enganados conscientes disso, mas residia nesta ilusão -como de resto até hoje – o momento que homem e mulher combinavam e se aceitavam, que deixavam de lado as suas diferenças.
    Se restava a mulher olhar o homem de frente e demonstrar satisfação com trejeitos, que ela fizesse isso, então, pois o homem que não conhecia nem a si mesmo não seria capaz de entender que ela fingia, enganava, mentia, como algumas mulheres fazem isso hoje em dia, na razão direta que o homem ainda não se conhece.
    Se não havia a certeza para o homem que a mulher o aceitava e dizia amá-lo – evidente que os sentimentos autênticos existiam -, pelo menos ele vivia na dúvida, melhor do que ser rejeitado por aquele ser inferior, que não pensa, que é frágil.
    E se somos a vontade de nossas representações, agimos de acordo por aspiração e paixão, de forma infinita, em busca de realizações sem fim e, a mulher, é uma dessas conquistas. Todavia, alguns davam com seus burros n’água, quando constatavam que a mulher não era tão sujeita às determinações de suas vontades e intenções.
    Eu sou um defensor das mulheres, meus comentários (!) nos assuntos que o senhor tão bem escolhe atestam o que eu digo.
    Mas entendo que esses dois homens, extraordinários filósofos, não eram misóginos. Apenas sabiam a forma como a mulher se defendia e reagia aos ímpetos masculinos, e concordavam com essas atitudes, portanto, admitiram este mecanismo de defesa.
    E quem pode dizer que, ao conceituá-las desta forma, não é o homem que se defende da inteligência sutil da mulher?
    Qualidade inata que os filósofos perceberam e quiseram desqualificá-la para não perderem seu status de pensadores?

    • Dois anos depois esse fantástico comentário chegou até mim.
      Comento unicamente pra deixar meus parabéns.

  11. Os posicionamentos e ideias são datados. Hoje é muito fácil criticar a misoginia, ou ser favorável ao casamento gay, mas na época em que eles autores viveram era NORMALMENTE ACEITO depreciar as mulheres, fazer chacota dos homossexuais, contar piada de judeu, etc. Tenho dúvida se é um avanço os machistas criticarem o machismo e a misoginia dos filósofos, mas será eles REALMENTE superaram esta patologia ou deliquência? A ignorância daquela época ainda está presente HOJE, com outros disfasces e DIREÇÃO. O problema é que a ignorância tem ponto-cego e ponto-surdo, isto é, O IGNORANTE EM RELAÇÃO AO VALOR DA MULHER NÃO CONSEGUE VER SUA FALHA OU FAZER AUTOCRITICA. Principalmente na universidade, com tantos exemplos de MULHERES inteligentes e avançadas no modo de pensar e até fazer a universidade é que NÓS HOMENS FOMOS FORÇADOS A REPENSAR NOSSO MAACHISMO. Mas, isto é recente. Ainda existe chacotas sobre as mulheres, desde de com garantia de não ser queimado no meio academico. Todavia, existem outras deliquências – inclusive a deliquencia academica – de discriminar ou estigmatizar SUTILMENTE colegas (mulheres e homens) em nome de uma posição ideologica ou politica supostamente pura ou correta. Que dizer de gente que critica o machismo aqui e aplaude a discriminação das mulheres no Iran, Afeganistão, India, entre outros países? E as mulheres queimadas com ácido no rosto no Paquistão? (ver no You Tube). Esta discriminação entre NÓS, mesmo numa universidade democrpatica, ainda é inquisitorial, com o fogo da fogueira simbólica visivel no campus. É DE SE LAMENTAR E LUTAR CONTRA TODA FORMA DE ESTIGMA E EXCLUSÃO. Raymundo.

  12. Postagem excelente, como sempre, aliás. O vídeo que o Josimar enviou fecha com bom humor e me remete à frase de Bloch, na abertura da postagem. Pessoalmente, em experiência recente – uma reunião de condomínio – tive a triste oportunidade de confirmar (através da reação de um vizinho, professor universitário, em relação ao argumento de outra vizinha – reação que foi acompanhada de risos de alguns outros senhores presentes, para meu desgosto) a magistral frase de Edgar Morin em “O X da questão”: “a autocrítica varre… mas não esteriliza!”. Bom domingo!

  13. Por que tem estes filosofos misoginistas? Tenho umas teorias que nao posso escrever aqui, mas no fundo, no fundo, podem ter/ter tido muita coisa na cabeca, falar dificil, estas coisas, mas como pessoas, sao/eram uns pobres coitados. Certamenta sao/ eram mal amados, provavelmente impotentes, tinham tido uma primeira experiencia sexual humilhate, sentimento de inferioridade, e por isto ficaram com medo das mulheres. E alem de tudo terminaram com uma fixacao anal das brabas. Da’ e’ do’.

    • Eva,

      boa noite.
      Obrigado por ler e comentar o post.
      Vc tem razão e “dá é dó” rsrsrs
      Abraços e ótimo final de semana,

      Ps.: E como é por aí? Vc identifica comportamentos misóginos no campus?

  14. INTERESSANTE QUE AINDA HOJE, JÁ TALVEZ SOB O RÓTULO DE DELINQUÊNCIA ACADÊMICA, DEPENDENDO DO PODER QUE DISPÕEM O AUTOR, FALA-SE ALGO E FAZ-SE ALGO COMPLETAMENTE DIFERENTE, COM DIREITO A ATACAR EVENTUAIS OPOSITORES MENOS AFORTUNADOS PELA POSIÇÃO UNIVERSITÁRIA.SHALOM

    • José,

      obrigado por ler e comentar o blog.
      Vc contribuirá mais ainda com os leitores e autor do blog se for mais claro em seu comentário, aprofundar mais o que anuncia e, como afirma o dito popular, “dar nome aos bois”.

      Abraços e ótimo final de semana,

      • Olá Prof. Ozaí

        Bem-vinda esta discussão,porque ainda há muitos homens e mulheres mal informados, necessitam conhecer os discursos fúteis, estereotipados sobre o feminino, que são os frutos podres criados, digo, forjados por um universo machista/ capitalista há séculos sustentado e perpetuado por eles também. Parabéns!
        Grande abraço.
        Ilzat

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s