Marx e os marxismos

“Tudo que sei é que não sou marxista”
(Karl Marx)

Aprendi, na prática e na teoria, a diferenciar Marx dos marximos.* Da mesma forma que não podemos responsabilizar Jesus Cristo pelo que os cristãos fizeram e fazem em seu nome, também seria absurdo identificar de forma absoluta a teoria de Karl Marx com as práticas, e mesmo as interpretações teóricas, dos seus seguidores. Quem é a expressão verdadeira da obra marxiana? Não é por acaso que todos disputam o legado histórico, a tradição que a obra original representa. Trata-se de se apropriar do capital simbólico.

Escrever o História das Tendências no Brasil levou-me à leitura dos textos marxistas (Declarações, documentos internos e públicos, teses, panfletos, etc.). Antes, por curiosidade militante, já havia tido lido parte da obra de Marx e Engels, Lenin, Trotsky e Rosa Luxemburgo, entre outros. Por outro lado, conheci muitos camaradas da “velha geração”, alguns deles sobreviventes da repressão que sofreu a esquerda brasileira no pós-1964.

Entrevistei representantes dos diversos marxismos. Isto, numa época em que as marcas indeléveis, físicas e psíquicas, da longa noite ditatorial eram relativamente recentes. Isto contribuía para manter o clima de insegurança política e uma relativa desconfiança em relação ao entrevistador. Não foi fácil. Afinal, o pesquisador era um “ilustre” desconhecido, um autodidata de origem operária pertencente à geração que via com certa ojeriza a tradição marxista.

Tendíamos a supervalorizar os erros e a não reconhecer os aspectos positivos da geração que nos antecedeu. Eles, os marxistas, especialmente os oriundos do velho partidão e da vertente stalinista, eram os derrotados, aqueles que cometeram equívocos políticos graves como a política de colaboração de classes e compactuaram com os pelegos encastelados na velha estrutura sindical getulista. Além disso, eram os fiadores do “socialismo realmente existente”, burocrático e autoritário.

Era preciso superar este passado e iniciar uma nova era. Arrogantemente, imaginávamos que estávamos diante de um novo início com as greves operárias do ABCD, a formação do PT e da CUT. Ignorávamos a história e se nos voltávamos para o passado era para criticá-lo e descartá-lo, como se isso fosse suficiente para nos libertarmos dos fantasmas.

Escrever o História das Tendências no Brasil me libertou desta ignorância e possibilitou um melhor conhecimento dos marxismos como parte inseparável da história deste país. Mantive vínculos de respeito, e até mesmo de amizade, que perduram. Anos depois, quando fiz o mestrado sobre Os partidos, tendências e organizações marxistas no Brasil (1987-1994): permanências e descontinuidades **, aprofundei estes laços e tive contato com outros militantes dos marxismos. Sou grato por possibilitarem a conclusão destes trabalhos e proporcionarem o aprofundamento do meu aprendizado.

O impulso para pesquisar e estudar os marxismos, como autodidata ou mestrando, resultou da mera curiosidade pelo saber. O anticomunismo, por exemplo o conselho para manter distância do companheiro que se assumia comunista, atiçou ainda mais o desejo de conhecer.*** Esta experiência de leituras e convivências foi uma das minhas melhores universidades. Ensinou-me muito!

Contudo, não aderi aos partidos ou organizações marxistas. O mais próximo que cheguei disso foi a participação no Espaço Marx, por ocasião da comemoração dos 150 anos do Manifesto Comunista. Foi uma experiência fértil, mas também frustrante. Essa trajetória prática e teórica aproximou-me cada vez da obra de Marx/Engels. Porém, quanto mais me aproximei deles, mais me afastei dos “marxismos”.

__________
* A palavra “marxismos” é utilizada propositadamente no plural para destacar a diversidade do que constitui o “campo marxista”. Ver “Marxismo(o) no plural”, REA 86, julho de 2008, disponível em http://www.espacoacademico.com.br/086/86ozai.htm
** Fiz o mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da PUC/SP, sob a orientação do Maurício Tragtenberg. Este trabalho está disponível em: http://www.4shared.com/file/76215451/72e0aad0/MESTRADO.html
*** Essa curiosidade foi de uma geração – e não me refiro à idade, mas ao significado histórico. Isto, entre outros aspectos, explica a aceitação do História das Tendências no Brasil, cuja tiragem, num total de 15 mil exemplares, esgotou-se (foram 5 mil em formato Jornal-Livro e 10 mil livros).

4 comentários sobre “Marx e os marxismos

  1. Meu caro Ozai, Em meio a tantos afazeres, comento tardiamente este seu post, para lhe indicar uma correcao fundamental. Voce equipara Cristo e Marx para desculpabiliza-los, previamente, de qualquer bobagem, besteiras ou mesmo crimes, que seguidores, discípulos ou quaisquer outros individuos posteriores tenham cometido em nome da doutrina original. Creio que voce incorre aqui num ERRO GRAVE, que é comum nesse tipo de alusao desculpabilizante. Você esquece, simplesmente, que Cristo, ao que sabe um personagem historico sobre o qual não temos fontes originais, não parece ter feito obra teorica ou empírica registrada diretamente, ou seja, ele não foi autor de nenhum manuscrito, a não se de parabolas, ensinamentos, predicacoes e outras formas de transmissao oral de principios, valores, concepções, das quais tomamos conhecimento pelo registro indireto e posterior de quatro evangelistas e alguns comentaristas esparsos, nenhum dos quais parece ter convivido com o personagem historico. Ou seja, nao se pode imputar diretamente a Cristo qualquer responsabilidade pelo uso que os posteros fizeram dessas predicacoes, pois ele nao guarda conexao direta, pelo menos registrada, com as fontes da doutrina. DIFERENTE, muito diferente, é o caso de Marx, um intelectual militante, um homem de partido, um responsavel de organizacao, um jornalista ativo e um agitador diretamente conectado às lutas de seu tempo. Ele PODE SIM ser responsabilizado pelo que ocorreu depois, pois os que fizeram o que se sabe em paises tao diferentes como a Russia ou a China, o fizeram em nome de sua doutrina, referindo-se especificamente a textos de Marx. Esta responsabilidade intelectual pelo que escrevemos e pregamos é insubstituivel e irrenunciavel. Por isso acho que voce deveria revisar o seu texto ou escrever um novo, sobre a responsabildiade dos intelectuais. Somos todos responsaveis pelo que escrevemos e pregamos…Paulo Roberto de Almeida

  2. Somos quase contemporâneos e eu fui, ao contrário e por sorte sua, militante de organizações clandestinas auto-proclamadas marxistas: primeiro o partidão, depois o que veio a ser PSTU (na época CS) e depois OT. O que posso dizer é que de fato não conheci nenhum marxista em convívio militante: só eu tinha de fato lido o que era para ser lido e acreditava como uma imbecil num futuro libertário, ainda que com as "etapas" prescritas. O resto era gente oportunista, golpista, cruel e… sinceramente, digna de internação. Eu e várias outras "companheiras" fomos psicologica e fisicamente violentadas. não por coincidência várias foram institucionalizadas por desordem mental após extremo stress de crueldade, especialmente aquelas de nós "promovidas" a direção nacional.Nunca mais vi nem conversei com ninguém depois dos meus 19 anos. Felizmente…Gostei da sua abordagem. Honesta e sóbria, de certa forma libertadora.abraços

  3. Apropriar-se do capital simbólico que grande sacada… o óbvio! Aquilo que só se chega a custo de muito trabalho, aquilo que exige todo um conteúdo representativo de vida. Ufa! Que tarefa de vida! Abraços

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s