Universidade e Política

A linguagem expressa relações de poder. Os discursos têm maior ou menor autoridade proporcionalmente ao capital social acumulado por aqueles que os pronunciam: quanto maior a acumulação, maior o poder. Por sua vez, estes dependem da posição que o indivíduo (ou grupo) ocupa na estrutura.

Como os discursos, a universidade pública não é uma entidade abstrata ou uma representação que adquire objetivação através da linguagem. A universidade se materializa no corpo docente e discente, no quadro técnico-administrativo, em sua estrutura física e em todos os mecanismos que propiciam seu funcionamento. Assim, pensar a universidade é pensar as pessoas concretas, corações e mentes que se harmonizam em determinados aspectos e se antagonizam em outros. A universidade constitui um campo, ou seja, um espaço no qual há diversos interesses em jogo; e os jogadores, a partir de posições já consolidadas, lutam para conservar ou conquistar mais posições.

Na política ocorre o fenômeno da universalização, isto é, os interesses de indivíduos e de grupos se metamorfoseiam em interesses coletivos, no bem comum. Os interesses particularistas são dissolvidos na categoria genérica povo e na defesa dos bens públicos (educação, saúde, segurança, etc.). Da mesma forma, dificilmente você verá alguém que dispute o poder no campo universitário assumir publicamente que almeja interesses pessoais. O egocentrismo tem a máscara do altruísmo.

O que chamamos de interesse tem sempre dupla face: ainda que o indivíduo ou grupo lute por seus interesses particulares (e isto é legítimo), em geral, ele os apresentará como coletivos. Mesmo o político mais descaradamente favorável aos interesses privados tem a sua máscara pública. Também no campo universitário, os interesses nunca são puramente científicos ou políticos. É melhor pensá-los como uma simbiose. Dificilmente, a ciência pela ciência, a defesa da universidade pública, o amor ao conhecimento, etc., são as únicas motivações que excitam o agente social. Portanto, é preciso exercer o direito da dúvida e não se iludir com os discursos.

A universidade pública não é um campo isolado de outros campos: temos que pensá-la de forma relacional, isto é, considerando a sociedade. Enquanto instituição social e política, sua prática e idéias são determinada pela sociedade; mas, por outro lado, ela também influi sobre as práticas e idéias desta. Portanto, a universidade não é um paraíso onde pululam anjos sem asas e sem pecados.

A universidade reproduz as relações sociais. Seus conflitos internos expressam antagonismos vivenciados pelos agentes sociais externos ao seu campo (indivíduos, grupos e classes sociais). Isto não quer dizer que ela não tenha uma dinâmica própria, mas apenas que não está descolada da realidade social.

É certo que os recursos são públicos e que a gestão não é privada – no sentido da existência de um proprietário que, a seu bel-prazer, contrata, demite, administra. A universidade pública não comporta isto. Mas é preciso não confundir estatal com público: nem tudo que é estatal tem o controle da comunidade – e nem tudo que se considera controle da comunidade realmente o é.

Não obstante, os mesmos mecanismos que atuam para a reprodução do poder na Universidade geram a sua oposição, no sentido disputa e transformação do campo. Não há discurso e prática cuja hegemonia esteja imune à contestação. Como observou Renato Ortiz: “Gramsci nos ensina que toda hegemonia é sempre momento de reprodução e de transformação; de nada nos adiantaria tomar uma posição moral contra o poder quando, na realidade, o problema consiste em saber quem o utiliza, e para que fins.”*


* Ver BOURDIEU, Pierre. O Campo Científico. In: ORTIZ, Renato. (Org) Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo, Ática, 1983, p.29.

4 comentários sobre “Universidade e Política

  1. Antonio
    O que eu falo muito a minha mãe, é que na maioria das vezes as universidades publicas não são para as pessoas que não tem condições de pagarem.
    E sim para muitos que estudam em escolas particulares que tiveram seu ensino puxado, a maioria das vezes as provas de vestibular, são dificeis, e a uma grande carencia no ensino publico. E nisso ja saberemos que quem leva a melhor…
    Um grande abraço.

  2. Antonio
    Saude e liberdade
    Os que chegam a Universidade ainda são poucos, comparado com o universo do que não concluem sequer o fundamental e o médio. Também é frustrante ver os alunos pagarem pelos estudos do ensino superior e ter diante de si um mercado estreito e com oportunidades cada vez menores de trabalho no que se graduam. O Brasil tem mais de 14 milhões de analfabetos e entre 30 a 45 milhões de analfabetos funcionais. Mais de 250 mil crianças todos ano não tem acesso a escola e provavelmente já estejam inceridas no gigantesco mercado informal de trabalho, que mal lhes garante a sobrevivência. A Universidade Pública em suma é ilha, ainda distante da maioria e possivelmente impotente em auxiliar os milhões de excluídos.
    Um abraço
    Pedro

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s