Dúvida

É bem mais fácil viver envolto em certezas. Sempre que a dúvida se insinua, ainda que sorrateiramente, ela fragiliza as verdades e dogmas que sustentam as religiões e ideologias seculares. Como uma fenda que cinde o ser, a dúvida inquieta, desespera e lança na solidão. A dúvida desagrega, atrai o estigma, produz o herege, o dissidente. Os que creem de maneira absoluta não suportam a dúvida. E, no entanto, a dúvida é tão poderosa quanto as certezas. Ela alimenta os profetas das utopias laicas e religiosas, é a seiva da consciência crítica transformadora da realidade. Não obstante, produz novas certezas, novas verdades em torno das quais os revolucionários de ontem apegam-se acirradamente. As certezas são tão poderosas e necessárias que os hereges e dissidentes de outrora tendem a construir estruturas, narrativas e instituições a serem conservadas. Paradoxalmente, a crítica à opinião dominante, à ortodoxia, tende a gerar novas ortodoxias. Novamente, a dúvida se torna imperiosa. Assim, abrem-se novas perspectivas, configuram-se novas ideias que questionam as certezas de então, surgem novas heresias e dissidências. E o que parecia eterno, intransponível, não resiste à dúvida. As estruturas fortificadas, verdadeiras fortalezas, terminam por sucumbir. A dúvida é poderosa!

2 comentários sobre “Dúvida

  1. Nao sei porque, mas isso me lembra a musica do Gilberto Gil, …”o eterno deus mudança”. Gerado pela du’vida, talvez?

    Curtir

Deixe uma resposta para Antonio Ozaí da Silva Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s