Saber e arrogância

“Quanto mais vivo, quanto mais leio, quanto mais pacientemente penso, quanto mais ansiosamente questiono, menos pareço saber”, afirma John Adams.* Revejo minhas anotações de leitura e fico a pensar. Quanto mais leio, mais me convenço de que pouco sei; que o meu saber é uma gota d’água no oceano do conhecimento universal. E mais me admira a arrogância de certos jovens acadêmicos, pirralhos que mal sabem pronunciar frases articuladas e com sentido, e outros, de qualquer idade, cuja verborragia ostentativa, pedante e superficial confundem com saber e agem como se fossem os mais inteligentes de todo o universo. Há também a arrogância discursiva ideologizada do pretenso militante que repete slogans e verdades doutrinárias. Uns e outros consideram-se sábios e defensores da causa da humanidade, mas são incapazes de conviver com o ser humano particular e concreto no cotidiano. Revelam-se leitores de um único autor, muitas vezes de apenas um livro tomado à maneira do texto sagrado, como a verdade inquestionável.


* Da série dirigida por Tom Hooper: John Adams (EUA, 2008, 501 min.), em sete episódios. Uma lição sobre a história dos EUA e, especialmente, sobre a vida.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s