Poema da despedida – Mia Couto

Não saberei nunca dizer adeus
Afinal, só os mortos sabem morrer
Resta ainda tudo, só nós não podemos ser
Talvez o amor, neste tempo,
seja ainda cedo
Não é este sossego que eu queria,
este exílio de tudo, esta solidão de todos
Agora não resta de mim
o que seja meu
e quando tento
o magro invento de um sonho
todo o inferno me vem à boca
Nenhuma palavra alcança o mundo, eu sei
Ainda assim, escrevo.


Fonte: “Raiz de orvalho e outros poemas”, 1983 (Maputo, Moçambique).

2 comentários sobre “Poema da despedida – Mia Couto

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s