Fahrenheit 451

Fahrenheit 451, de Ray Bradbury[1], é uma obra sobre uma sociedade na qual os livros foram proscritos, em que a simples posse de obras literárias ou filosóficas constitui crime. Nesta sociedade fictícia, que resolveu o problema dos incêndios residenciais, o trabalho dos bombeiros consiste em queimar os livros, “para evitar que suas quimeras perturbem o … Continue lendo Fahrenheit 451

Ler faz bem ou mal?!

ANTONIO OZAÍ DA SILVA* “Minha vida tinha tomado o caminho errado, e meu contato com os homens não era mais do que um monólogo interior. Havia descido tão baixo que, se tivesse que escolher entre ficar apaixonado por uma mulher e ler um bom livro, eu preferia o livro”. (KASANTZAKIS, 1978: 97) “Há portanto, na … Continue lendo Ler faz bem ou mal?!

O menino é pai do homem

MACHADO DE ASSIS* "Desde os cinco anos merecera eu a alcunha de “menino diabo”; e verdadeiramente não era outra coisa; fui dos mais malignos do meu tempo, arguto, indiscreto, traquinas e voluntarioso. Por exemplo, um dia quebrei a cabeça de uma escrava, porque me negara uma colher do doce de coco que estava fazendo, e, … Continue lendo O menino é pai do homem

Quanto tempo dura o amor?

O contexto é a Rússia do século XIX, numa época em que o divórcio era tema polêmico e ainda havia quem defendesse o “casamento à moda antiga”. No trem, alguns passageiros iniciam uma conversa sobre o amor e o matrimônio. O senhor idoso defende a tradição e culpa o avanço da instrução: “As pessoas ficaram … Continue lendo Quanto tempo dura o amor?

[LIVROS] Posfácio – Lev Tolstói. Felicidade conjugal

BORIS SCHNAIDERMAN* Esta novela, Felicidade conjugal, publicada em 1859, pode surpreender o leitor acostumado com a pregação insistente por Tolstói do seu sistema ético-religioso. Com efeito, na mesma época em que escreveu entregava-se com insistência à elaboração de textos moralizantes. Assim, anotava em seu diário, em 1852: “Decididamente, não posso escrever sem objetivo e sem … Continue lendo [LIVROS] Posfácio – Lev Tolstói. Felicidade conjugal

Adultério, culpa e sofrimento

Nathaniel Hawthorne (1804-1864), é filho de puritano. Seus antepassados enforcaram quacres e queimaram mulheres acusadas de bruxaria. Seu bisavô foi um dos juízes no julgamento das “Bruxas de Salem”. Era o ano de 1692. Na Nova Inglaterra daquela época, como relata o historiador Paul Johnson, os guardiões da moral e dos bons costumes condenavam à … Continue lendo Adultério, culpa e sofrimento

Literatura Política – “Gente Pobre”, de Dostoiévski

Gente Pobre é o primeiro romance de Fiódor Dostoiévski. É um livro no estilo epistolar – troca de cartas entre Makar Diévuchkin, funcionário de uma repartição pública de Petersburgo, e sua vizinha Varvara Alieksiêievna, uma jovem órfã injustiçada – que mostra a adesão à causa dos humildes e realça a importância dos pequenos gestos no … Continue lendo Literatura Política – “Gente Pobre”, de Dostoiévski