“O amante”, de Marguerite Duras

*A releitura de O amante**, obra clássica de Marguerite Duras, evidencia novos aspectos. Agora o “olhar” do leitor percorre o texto amparado numa chave interpretativa pós-colonialista. A relação da “moça branca” com o amante chinês expressa situações que, a meu ver, são passíveis de universalização, considerando-se as dificuldades presentes – por exemplo, a idade da … Continue lendo “O amante”, de Marguerite Duras

Os amores e dilemas de Sabina

Sabina é a personagem de ficção inspirada na vida real da autora que a criou, Anaïs Nin.[1] Ela é casada e ama Alan. Ele é terno, inspira confiança. Ela tem certeza de que é amada e, à sua maneira, acredita que também o ama. Sabina precisa dele, da segurança que ele infunde. Ele é o … Continue lendo Os amores e dilemas de Sabina

Hannah Arendt, verdade e política

Hannah Arendt, na obra Entre o passado e o futuro, observa que Verdade e Política são, em geral, incompatíveis. Em suas palavras “Jamais alguém pôs em dúvida que verdade e política não se dão muito bem uma com a outra, e até hoje ninguém, que eu saiba, incluiu entre as virtudes políticas a sinceridade. Sempre … Continue lendo Hannah Arendt, verdade e política

Franz Kafka: a afirmação da liberdade

*“Pode-se ainda dizer algo novo sobre Kafka?”, pergunta-se Michael Löwy. Ainda que a obra do escritor tcheco seja daquelas que produziram leituras interpretativas e exegéticas diversas, o autor de "Franz Kafka, sonhador insubmisso"  [1] aposta que sim. Mas é possível ser original e superar as leituras de cunho estritamente literário, biográfico, psicanalíticas, teológicas, judaizantes e … Continue lendo Franz Kafka: a afirmação da liberdade

Mefisto, de Klaus Mann: a personificação do Mal

*Perdôo no autor todos os defeitos do homem; mas no homem não perdôo nenhum dos defeitos do autor Goethe, Wilhelm Meister[1] Mefisto: romance de uma carreira, escrito por Klaus Mann[2], é uma daquelas obras que envolvem o leitor e instigam a reflexão. É impossível ficar indiferente diante da brilhante e comprometedora narrativa sobre a carreira … Continue lendo Mefisto, de Klaus Mann: a personificação do Mal

Arte, Portas e Livros

Fui à Exposição Porta Aberta, no Centro de Excelência da UEM. A mostra reúne trabalhos dos acadêmicos e docentes do curso de Artes Visuais da UEM (coordenado pela Profª Kiyomi Hirose) e artistas plásticos convidados. Eles utilizaram portas descartadas e destinadas ao lixo para criarem arte. [1] A exposição faz parte do Projeto de Extensão … Continue lendo Arte, Portas e Livros

O que é literatura? (2)

Para não restringir a literatura ao cânone [1], é preciso levar em conta o processo histórico no qual a literatura especializa-se e consolida-se enquanto conceito e prática social. Segundo Raymond Williams, em “Marxismo e Literatura”: “Em sua forma moderna, o conceito de “literatura” não surgiu antes do século XVIII e não se desenvolveu plenamente até o … Continue lendo O que é literatura? (2)