Machado de Assis

"Na vida, o olhar da opinião, o contraste dos interesses, a luta das cobiças obrigam a gente a calar os trapos velhos, a disfarçar os rasgões e os remendos, a não estender ao mundo as revelações que faz a consciência. E o melhor da obrigação é quando, à força de embaçar os outros, embaça-se o … Continue lendo Machado de Assis

Fahrenheit 451

Fahrenheit 451, de Ray Bradbury[1], é uma obra sobre uma sociedade na qual os livros foram proscritos, em que a simples posse de obras literárias ou filosóficas constitui crime. Nesta sociedade fictícia, que resolveu o problema dos incêndios residenciais, o trabalho dos bombeiros consiste em queimar os livros, “para evitar que suas quimeras perturbem o … Continue lendo Fahrenheit 451

Ler faz bem ou mal?!

ANTONIO OZAÍ DA SILVA* “Minha vida tinha tomado o caminho errado, e meu contato com os homens não era mais do que um monólogo interior. Havia descido tão baixo que, se tivesse que escolher entre ficar apaixonado por uma mulher e ler um bom livro, eu preferia o livro”. (KASANTZAKIS, 1978: 97) “Há portanto, na … Continue lendo Ler faz bem ou mal?!

Igualdade para os animais?

“Como é possível que alguém perca o seu tempo tratando da igualdade dos animais, quando a verdadeira igualdade é negada a tantos seres humanos?” (Peter Singer) * Colocada desta forma e descontextualizada, a questão parece disparate. Os mais apressados e aqueles cuja formação consolidou a noção da superioridade do ser humano em relação às outras … Continue lendo Igualdade para os animais?

[LIVROS] Posfácio – Lev Tolstói. Felicidade conjugal

BORIS SCHNAIDERMAN* Esta novela, Felicidade conjugal, publicada em 1859, pode surpreender o leitor acostumado com a pregação insistente por Tolstói do seu sistema ético-religioso. Com efeito, na mesma época em que escreveu entregava-se com insistência à elaboração de textos moralizantes. Assim, anotava em seu diário, em 1852: “Decididamente, não posso escrever sem objetivo e sem … Continue lendo [LIVROS] Posfácio – Lev Tolstói. Felicidade conjugal

Adultério, culpa e sofrimento

Nathaniel Hawthorne (1804-1864), é filho de puritano. Seus antepassados enforcaram quacres e queimaram mulheres acusadas de bruxaria. Seu bisavô foi um dos juízes no julgamento das “Bruxas de Salem”. Era o ano de 1692. Na Nova Inglaterra daquela época, como relata o historiador Paul Johnson, os guardiões da moral e dos bons costumes condenavam à … Continue lendo Adultério, culpa e sofrimento

Sobre fotografia

Publicado originalmente em 1977, On photography reúne ensaios escritos pela romancista e filósofa Susan Sontag (1933-2004). Nesta obra, o fenômeno da imagem fotográfica, desde o aparecimento do daguerreótipo, no século XIX, é analisado em todos os seus aspectos. Ganhador do National Book Critic Circle Award de 1977, este livro oferece uma história social da fotografia … Continue lendo Sobre fotografia